Padel: prevenção de lesões

Padel: prevenção de lesões

O padel é considerado um desporto relativamente recente e na última década subiram exponencialmente o número de praticantes e de clubes. Este auge pode-se explicar pelo facto do padel ser um desporto atrativo, com um abrangência etária grande (dos 5/6 anos aos 80), por ser fácil de aprender e por se poder evoluir bastante num curto espaço de tempo.

O rendimento desportivo do padel está condicionado por diversos fatores: qualidades físicas, habilidades desportivas específicas e estratégias competitivas.

O padel está caracterizado por arranques rápidos e golpes repetidos, onde intervêm muitos grupos musculares em intensidades moderadas a submáximas. Desta forma, torna-se num desporto que conduz a várias lesões (especialmente em jogadores amadores).

As 5 lesões mais comuns do padel são:

  • Epicondilite

A epicondilite é uma condição dolorosa que envolve os tendões que se originam na parte lateral do cotovelo. Os sintomas da epicondilite são: dor e sensibilidade ao toque na parte lateral do cotovelo e incapacidade funcional. Esta lesão é frequente no padel devido aos movimentos repetidos do cotovelo, erros no gesto técnico, excesso de treinos e/ou ao excesso de força a segurar na raquete.

  • Fascite plantar

A fascite plantar trata-se de uma inflamação na membrana espessa (fáscia) que recobre a planta do pé. Esta lesão é comum no padel pelo facto de ser uma atividade desportiva em carga, pelo uso de calçado inadequado e/ou pelo solo ser muito duro. Os sintomas da fascite são: dor no calcanhar e planta do pé, dificuldade em subir escadas e permanecer em pé por longos períodos.

  • Entorse do tornozelo

A entorse do tornozelo trata-se do estiramento ou rutura dos tecidos moles (ligamentos, tendões, cápsula articular) do tornozelo. Esta lesão é comum em atletas de padel pois é um desporto que exige frequentes saltos e mudanças de direção. Os sintomas da entorse são: dor, inchaço local, aumento da temperatura local e dificuldade em andar ou manter-se em pé. Se não for tratada, a entorse pode conduzir a instabilidade crónica do tornozelo.

  • Rutura muscular do gémeo interno

Esta lesão ocorre quando o atleta de padel faz um arranque ou sprint violento e inesperado. Existe uma contração brusca do músculo e pode conduzir a uma rutura parcial ou total. O atleta sente uma dor intensa e súbita na parte posterior da perna que pode irradiar para o tornozelo e/ou joelho, inchaço e dificuldade em caminhar.

  • Lombalgia

A lombalgia é uma dor na parte inferior das costas (região lombar). As exigências físicas inerentes ao padel (movimentos rápidos, de alta potencia e de grande amplitude) na região lombar e no tronco combinadas com padrões de reduzida flexibilidade resultam, frequentemente, em lombalgias por sobrecarga.

 

Para reduzir/prevenir lesões é importante:

  • Calçado adequado

A sola da sapatilha deve ter características ótimas de dureza e torsão da sola e a sua altura lateral deve ser adequada de forma a evitar movimento de lateralidade do pé;

  • Aquecimento

O correto aquecimento irá melhorar a elasticidade dos tecidos, aumentar a lubrificação das articulações, aumentar o fluxo sanguíneo periférico e evitar encurtamentos musculares;

  • Hidratação

A hidratação adequada é importante para a regulação da temperatura corporal durante o treino, a recuperação pós-treino e a melhoria do rendimento físico;

  • Correção dos gestos técnicos

O gesto técnico deve ser realizado corretamente pois evita sobrecargas sobre as várias articulações (ex.: ao realizar o smash evitar arquear as costas desnecessariamente);

  • Repouso

É necessário aprender a dosear a atividade e ouvir o corpo, sabendo que a pausa ou o descanso faz parte do treino. O organismo precisa de um tempo adequado para reequilibrar o metabolismo assim como toda as estruturas musculares e articulares após o esforço;

  • Condição física

Preparar o corpo com treino de alongamentos, fortalecimento muscular e exercícios de propriocetividade é fundamental para preparar o corpo para a modalidade;

  • Raquete adequada

É importante trocar o overgrip, secar e colocar pó de talco na raquete para evitar lesões nas palmas das mãos.

Artigo redigido por Fisioterapeuta Inês Malheiro.